Manual do Rolé – Galpão de artes na Maré

Foto: Reprodução/internet
Foto: Reprodução/internet

Ocupar espaços é uma de nossas maiores qualidades como pessoas, e assim levamos nossas características e adquirimos muito desses lugares que estão espalhados por aí. Nunca foi tão acessível poder circular pela cidade na tentativa de fazer parte de movimentos e até mesmo fazer a própria história. Há duas semanas estive em uma festa no Galpão Bela Maré, que agrega a favela uma dose muito grande de arte e conteúdo.

Foto: Reprodução/internet
Foto: Reprodução/internet

Segundo a própria página do Facebook deles “… o ‘Galpão Bela Maré’ é uma expressão das possibilidades de afirmação da riqueza dos encontros na cidade e articula um dos eixos centrais de atuação do Observatório de Favelas: Artes e Territórios. Está, portanto, voltado para a ressignificação e reinvenção das práticas sociais e das formas como as favelas são representadas e reconhecidas”. Genial, não?!

O melhor de tudo é que além de todo esse serviço que o espaço oferece, também acontece no mesmo espaço, festas abertas à comunidade, com direito até a Karaokê. Confesso que fiquei com uma vontade enorme de cantar um pouco com o grupo de amigos que estavam comigo, mas, não aconteceu. Estou me programando para voltar ao espaço e seria muito bacana saber que um de vocês, queridos leitores do “Voz” também estiveram por lá.

Foto: Reprodução/internet
Foto: Reprodução/internet

Ah, não posso deixar de falar que o Galpão fica localizado bem na entrada da favela Nova Holanda, Maré – Rio de Janeiro. Que tal tirar um dia para dar um pulinho lá e lotar suas redes sociais de fotos? Ah, vale lembrar que quando for visitar qualquer lugarzinho que colocarmos aqui, não se esqueça de usar a hastag #manualdorole e a mais importante: #eusourolezeirx.

Contato: [email protected] riodefavelas.org.br
Página do Facebook: facebook.com/GalpaoBelaMare

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]