Morador da Rocinha é referência no basquete de rua

leandro_jogador_de_basquete_da_rocinha

O morador Leandro de Souza Lima, de 31 anos, sempre ‘escapou’ da violência na Favela da Rocinha para dedicar ao basquete. Quando Leandro começou a jogar basquete de rua e por não ter conhecimentos de jogadas, teve o apelido de ‘Leandro Discreto’, por que Leandro era conhecido por ser discreto em relação com a turma que ele andava.

Nascido na Rocinha, Leandro perdeu o pai aos 3 anos. A mãe foi a responsável por colocar o filho numa escolinha de basquete com o intuito de tirá-lo das ruas. A altura – cerca de 1,90m aos 14 anos – foi outro fator que influenciou na escolha do esporte.

Com passagens pelas escolinhas do Botafogo e Flamengo, Leandro conquistou diversos títulos. O jogador é tricampeão brasileiro de basquete de rua do Hutús, campeonato promovido pela CUFA. Com a LUB (Liga Urbana de Basquete) em 2009, fez parte da primeira equipe a jogar contra um time de rua do Harlem, em Nova York.

Em 2010, jogou com os Harlem Globettroters depois de 10 dias de treinamento na clínica do famoso time americano. Leandro também já participou do programa do Luciano Huck e foi personagem de diversas reportagens sobre o basquete de rua.

Além disso, é bicampeão brasileiro do Red Bull King of the Rock e o único jogador brasileiro a representar o país no campeonato mundial de basquete homem a homem (2012/2013), na prisão de Alcatraz (São Francisco – EUA).

Via: Vivarocinha.org

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]