MPE e OAB apuram denúncia de ‘cemitério ilegal’ onde eram enterrados animais do Neafa

(Crédito: Cortesia)
(Crédito: Cortesia)
(Crédito: Cortesia)
(Crédito: Cortesia)

Daniel Paulino
Voz das Comunidades Alagoas 

Durante o recolhimento de depoimentos de testemunhas sobre o caso do envenenamento de 30 cães que estavam no Núcleo de Educação Ambiental Francisco de Assis (Neafa), o promotor Flavio Gomes, que está investigando o caso, questionou uma das testemunhas sobre onde os animais que eram mortos estavam sendo enterrados e ela afirmou que seria em um terreno baldio ao lado do Neafa.

A presidente da Comissão de Meio Ambiente e Bem Estar Animal, Cristiane Leite, confirmou o depoimento de uma testemunha que teve a identidade preservada. ”Estávamos no momento em que a testemunha afirmou isso e pra nós, foi uma surpresa e agora temos mais uma parte do quebra-cabeça para averiguarmos e solicitar que a perícia e exames sejam feitos no terreno que fica nas proximidades”, afirmou.

Ainda segundo a Cristiane, em Maceió, atualmente não existe cemitério para animais e pra ela isso não é a melhor opção. “Há uns três anos atrás, soube que existia um cemitério para animais na parte alta de Maceió, mais após um tempo fiquei sabendo que ele acabou sendo interditado, pois para ter um cemitério em funcionamento é necessário uma série de documentações e autorizações e, provavelmente, eles não tinham”, disse.

Já sobre os cemitérios de animais, Cristiane discorda. “Na verdade, Maceió precisa de crematórios para animais e não cemitérios, pois prejudica e muito o solo e o lençol freático fazendo com que bactérias e sérias doenças possam chegar até na água que é conduzida pelas tubulações até as residências”, frisou.

O Portal Voz das Comunidades tentou entrar em contato com o delegado Gustavo Pires, do 11º Distrito Policial, que investiga o caso, mais não obtivemos êxito.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]