OPINIÃO | A conscientização política como meio de transformação social no Brasil

Marielle Franco saindo da Câmara Municipal do Rio de Janeiro; 26/10/2017 | Foto: Bárbara Dias/Fotoguerrilha
Marielle Franco saindo da Câmara Municipal do Rio de Janeiro; 26/10/2017 | Foto: Bárbara Dias/Fotoguerrilha

Marielle Franco saindo da Câmara Municipal do Rio de Janeiro; 26/10/2017 | Foto: Bárbara Dias/Fotoguerrilha

A crise no Brasil não está somente ligada ao âmbito econômico, mas sim ao caráter individual de quem pertence a ela como ser humano. No período democrático que o país vive, a forma de interagir ativamente na sociedade vem se modificando ao longo do tempo através do uso de ferramentas como a própria Internet, que auxilia na participação de cada um dentro do território que vive, buscando sempre novas maneiras de abranger e questionar determinados assuntos importantes de serem discutidos e enraizados, ainda mais por contextos históricos (como a colonização e a escravidão, por exemplo), sempre focando na coletividade.

No entanto, ocorre uma alteração dessa ideia de exercer a política como uma ação de responsabilidade sobre as escolhas voltadas para o ambiente e acaba dando lugar à percepções desumanizadoras focadas na violência como o único meio de comunicação com o espaço e de hierarquização de opressão, trazendo malefícios para a construção de um futuro melhor para todos.

Tal destilamento de medo, alienação sobre “verdades não tão absolutas assim”, superiorização de ideologias, disseminação de mentiras através das propagandas e centralização do caos ocasionam uma série de fatores agravantes para a manutenção do sistema e a valorização de áreas importantes como a educação e a cultura. O que prevalece e permite que qualquer um concorde ou não sobre algo e use a sua voz como uma ferramenta de renovação, do respeito ao próximo e exercício da conscientização sobre os problemas desde a sua raiz, por fim enfatiza a banalização do mal, desmotiva o interesse pela transformação, promove tendências perigosas como a “única realidade possível” voltadas para a “limpeza moral”, perseguições e uma justificativa para criminalizar e inserir táticas de “guerra” em “territórios hostis”, na qual o acesso aos direitos e deveres de grupos ou classes populares são negados.

O “uso do texto da lei para combater o espírito da lei” ou o uso de meios democráticos para a deslegitimação da própria democracia, é utilizado para favorecer um grupo político ou por razões políticas/privadas. Isso enfraquece o significado da própria política e exalta vertentes autoritárias voltadas para a insensibilização, barbaridade, horror e descontextualização de falas como um método de controle e polarização política, além da manutenção de interesses econômicos legais e sociais da estrutura de poder que persiste em existir no país.

Foto por: Fagner França
Foto por: Fagner França

Como Belchior interpretava e Elis Regina cantava lindamente, “é você que ama o passado e que não vê que o novo sempre vem”. Negar a veracidade do que está ocorrendo nos últimos anos e se distanciar é fechar os olhos, boca e ouvidos, permitir a própria vulnerabilidade de ser dominado e ser distraído dos “inconvenientes” existentes por interesses políticos. A mudança que a população busca em prol do progresso da nação não está em Brasília. Está em cada um através do reconhecimento, da ética, conscientização e do diálogo. A reconstrução nacional deve partir de baixo para cima e não é pela violência que devemos começar. Necessitamos ser referências, inspirações e potências para os que estão germinando e os que ainda serão plantados no futuro através de ferramentas como a escrita, a fala, o olhar, entre outros. Sair da zona de conforto e ir para a zona de confronto através de articulações e debates é crucial para identificar quem quer restringir e fechar as portas do conhecimento. A revolução necessária para o país não se faz com armas, retrocessos e a ignorância mas com o conhecimento dos deveres e direitos, empatia, a valorização das qualidades individuais de todo ser e a transmutação da realidade através das nossas ações em prol da liberdade e do respeito ao próximo sempre.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]