Opinião | Estreia documentário “Frágil Equilíbrio” no Brasil

15390905_934007023398626_7913033125684138633_n

Dentre outros temas, o documentário detalha como a humanidade tem enxergado as divisões sociais

No dia 18 de abril, aconteceu a estreia do documentário “Frágil Equilíbrio” aqui no Brasil. O filme é guiado pelas falas, sempre assertivas, do ex-presidente uruguaio, Pepe Mujica. O mesmo que em 2015 esteve na Universidade do Estado do Rio de Janeiro discursando para milhares de estudantes.

Chegando à sala de exibição especialmente separada para a imprensa, fico na penúltima fileira, ao centro. O trabalho de produção de cerca de um ano e três meses foi apresentado em um pouco mais de uma hora um produto redondo, sensível e impactante.  

O documentário se passa em diversos países, em três continentes, mas, muito embora nenhum se passe no Brasil, todos os temas se relacionam com as nossas vidas: consumo, a dor e angústia, os contrastes sociais e a pergunta “qual o sentido das nossas vidas?”.

O filme trouxe uma reflexão muito importante sobre autoconhecimento. Sobre territorialidade, sobre espaços e divisões sociais. “Somos seres políticos”, e como tais precisamos viver em conjunto. Um dos quotes do filme é “pobre não é quem não tem dinheiro, e sim, quem não tem uma comunidade”.

Comecei a viajar no meio da exibição em como somos o resultado de todas as influencias que nos rodeiam, a junção das coisas que amamos e a média das atividades que fazemos com frequência. “Somos uma perspectiva”, segundo Mojica, essa é a chave para a felicidade. É um banho de otimismo, em meio a tanta desesperança, ouvir frases como “fracassado não é quem não vence, mas quem sai da disputa” é um balsamo.

Ao fim da exibição, ocorreu uma coletiva com os profissionais da imprensa. No encerramento, me senti tão impactado pela narrativa que fui cumprimentar os produtores pelo trabalho excepcional. O melhor é saber que a força do coletivo aconteceu também para a produção desta obra, financiada por crowdfunding e que recebeu diversos prêmios pelo mundo.

Sai da sala com a sensação de “preciso indicar esse documentário para todo mundo”. Bem, é isso que faço agora. Assista! O filme vai rodar por algumas cidades do país, mas já está no serviço “Vimeo On Demand”.

 

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]