Os políticos não falam o que pensam, mas o que o povo quer ouvir:

lutojoaowerwere

Estive no Congresso Nacional para um estágio onde aprendi sobre o processo legislativo e debati diversos temas com universitários de todo o Brasil. Conheci senadores e deputados, conheci de forma ainda mais nítida a realidade deste país, testemunhei que um político trabalha mais que um pedreiro, mas atua mais que um ator. Partidos políticos de direita e esquerda não existem dentro daquele parlamento, ideologia convicta não existe dentro daquele parlamento, o que existe é uma disputa intrínseca pelo poder entre representantes de massas domadas.

A realidade não é assustadora, muito menos doce, é apenas real, pelo menos para mim. Sua cor é pálida, sem nenhum extremismo de emoções, sem nenhuma cor sólida, como a cor da decepção. Políticos não defendem o que pensam, o que acreditam, defendem o que o povo pensa, pois pensar por si só é proibido para quem quer ser reeleito ou se perpetuar no poder. Mas ainda assim, se você critica esses políticos, eu critico você, pois colocaria minha mão ao fogo se você fosse diferente de qualquer um deles estando onde eles estão… O sistema te impede, te proíbe, é impossível ser você mesmo na casa do povo, pois na casa do povo você tem que ser o povo…


Sobre o autor:

11226059_919199861489935_9194135250296814813_nMe chamo João Pedro Dornelles Claret, tenho 21 anos e sou estudante de Direito da Universidade Federal do Tocantins, fundador da Web-page Brasil Intelecto que reúne um grupo de jovens de destaque no intuito de difundir conhecimento e cultura. Além de músico, também sou poeta com minha obra ¨Etapas do Viver¨ prestes a ser publicada.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]