Pinto da Madrugada arrasta multidão na orla de Maceió

(Crédito: Daniel Paulino/Voz-AL)
(Crédito: Daniel Paulino/Voz-AL)

Gustavo Ferreira e Daniel Paulino
Voz das Comunidades Alagoas

Desde  início da manhã deste sábado (08), a orla da capital alagoana se enche de cor com os milhares de foliões foram acompanhar o mais tradicional bloco carnavalesco de Maceió, o Pino da Madrugada. De acordo com os organizadores do bloco, ainda não confirmada pela Polícia Militar, é de que cerca de mais de 200 mil pessoas passem pela orla marítima.

Em entrevista ao Portal Voz das Comunidades, Braga Lyra, organizador do bloco, disse que 600 músicos animam o evento. que teve como tema, este ano, “O Pinto à Sombra do Gogó da Ema”, e também comemora os 200 anos de Maceió.

Cerca de 12 orquestras acompanharam o trajeto do bloco e outras itinerantes em  pontos estratégicos como Sete Coqueiro. Segundo a foliã Solange Reis, a tradição de participar do bloco já passa de geração por geração. “Já a fantasia, que chamo de “beijinho no ombro”, tem a intenção de espantar o mau olhado e a inveja”, disse.

A festa se encerra com a passagem dos blocos da Turma da Rolinha e Pecinhas de Maceió.

Segurança

De acordo com o Comandante do Policiamento da Capital, coronel Sampaio, o policiamento será reforçado com cerca de 500 policiais militares ao longo de toda a orla juntamente SMTT e com a Superintendência Municipal de Controle e Convívio Urbano (SMCCU).

Ainda segundo o Comando de Policiamento da Capital (CPC), 140 homens devem estar a pé, contando com o apoio de três viaturas do Batalhão de Policiamento de Radiopatrulha (BPRP), viaturas do Batalhão de Policiamento de Eventos (BPE), Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), Batalhão de Policiamento de Trânsito (BPTran) e com o 1º Batalhão de Policiamento Militar (BPM) que é responsável pela região.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]