Prefeitura fecha 11 unidades de saúde: Alemão e Penha já sofrem ameaças de cortes e fechamentos

WhatsApp Image 2017-08-01 at 15.01.15as

No total foram 11 unidades de saúde fechadas somente hoje na Zona Oeste do Rio pela prefeitura do Rio.

Segundo informações divulgadas nesta tarde pelo Jornal Extra, cerca de 2 milhões de pacientes deixarão de ser atendidos pelas unidades que fecharam. Tudo isso por conta da redução do contrato firmado pela organização que administra as unidades. Em razão do corte do valor do contrato de prestação de serviço, as 11 unidades foram fechadas e outras sofrem ameaças de fechamento. Ao todo foram 89 equipes formadas por médicos, enfermeiros e agentes de saúde que serão demitidos, dando o total de 712 profissionais dispensados. Cada unidade, segundo o jornal Extra, atendiam grupos de 25 a 30 mil pessoas.

Unidades do Alemão e Penha ameaçadas

Funcionário (a) de Unidade de Saúde da região pede emprego para amigo(a) Imagens enviada via internet

Nossa equipe recebeu informações internas de que 3 unidades do Alemão serão fechadas. A informação conta que 400 equipes, totalizando 3 mil funcionários, serão cortadas de suas funções, só no Alemão e Penha serão 30 equipes. Unidades como Valter Felisbino (Antiga CMS Palmeiras), Rodrigo Roig e Caps, já estão recebendo informações de cortes e fechamentos.

Uma das mensagens que nossa equipe recebeu foi de um funcionário(a) que preferiu não se identificar, afirmando já sofrerem com os cortes e fechamentos em uma das unidades da região. A mesma, em conversa com uma amiga(o), pede um emprego, sabendo que possivelmente sera demitida.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]