Seminário sobre o 450 anos do Rio no Centro de Artes da Maré

rio_de_janeiro_mare_29_1394326319

Qual o lugar da favela nas comemorações dos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro e qual é a sua parte nessa história? Para pensar nessas e em outras questões o Núcleo de Memória e Identidade da Maré (NUMIM) te convida a participar do Seminário “Pensando os 450 anos do Rio de Janeiro a partir da favela”, no dia 19 de agosto, a partir das 18h30, no Centro de Artes da Maré.

Estarão presentes os historiadores Antônio Edmilson e Paulo Knauss, o geógrafo e Diretor do Observatório de Favelas, Jorge Barbosa Historiador, a professora Adriana Facina e  o Diretor da Redes da Maré, Edson Diniz. Participe e leve para o evento suas provações, questões, reflexões para pensarmos o Rio de Janeiro, a favela e os próximos 450 anos.

A cidade do Rio de Janeiro foi fundada em 1565, e de acordo com Edson Diniz, diretor da Redes da Maré e coordenador do Numim, esta fundação foi imposta à natureza e aos povos que aqui viviam através de um ato de força, audácia e ambição. “O Rio de Janeiro é a prova viva da vontade conquistadora dos portugueses e da atração exercida pelo sonho de riqueza e sorte que ainda hoje seduzem milhares de cariocas de todas as partes do Brasil. Esta também é a cidade onde a pobreza e a riqueza convivem lado a lado. Aliás, essa é uma de suas peculiaridades mais importante: a proximidade e a convivência, por vezes tensa, entre a cidade rica e a cidade pobre. Cidades que se misturam, repelem, atraem e reconfiguram-se numa só, desigual, múltipla e multifacetada”, explica.

Para Edson, nesses 450 anos da cidade, temo mais a fazer do que apenas festejar o aniversário da “cidade maravilhosa” precisamos refletir sobre o que a faz ser única e que contribuições ela deu e ainda pode dar ao Brasil em termos econômicos, culturais, sociais e políticos.

Acesse o formulário e inscreva-se CLICANDO AQUI!

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]