Símbolo de resistência e cultura: Tia Maria do Jongo morre aos 98 anos

Texto: Gabi Coelho

Hoje, (18), recebemos a triste notícia de seu falecimento. Sem muitos detalhes, familiares informaram à imprensa de que Maria de Lourdes Mendes, a Tia Maria do Jongo, passou mal e foi levada para o Posto de Atendimento Médico (PAM) de Irajá, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Referência no Jongo da Serrinha, filha e neta de ex-escravos, exemplo de luta e resistência ela se foi aos 98 anos. Ela também era uma das únicas fundadoras da escola de samba Império Serrano que ainda estava viva.

Na terça-feira (14), Tia Maria subiu ao palco do Copacabana Palace para receber o prêmio Sim à Igualdade Racial, promovido pelo Instituto Identidades Brasileiras (ID_BR). Em agradecimento, ela disse com seu jeitinho doce, um sorriso largo e brilho nos olhos. “O jongo da Serrinha agradece e terá um grande prazer, se vocês um dia puderem passar uma tarde com a gente lá. O jongo é bom. Vocês vão gostar”.

Foto: Gabi Coelho 

Mulher preta, cheia de conhecimento que a vida lhe ensinou, Tia Maria começou a trabalhar aos 11 anos e nunca mais parou. Sempre lúcida e capaz de se reinventar através da energia de uma eterna juventude que ela tinha, nos últimos anos passou a compor pontos de jongo e abriu sua casa para os ensaios, as tradicionais feijoadas em homenagem aos pretos-velhos no dia 13 de maio e para distribuição de doces de São Cosme e Damião. Sábia, que tinha um abraço de vó – acolhedor – sorriso sincero e uma vontade de viver que nos dá a certeza de que ela se foi em paz e com o coração leve por ter feito muito pelo povo brasileiro, carioca, de favelas e periferias.

A guardiã das tradições do jongo tinha sangue mineiro e carioca

Os escravos bantos, trazidos em navios negreiros no Brasil-Colônia no século XIX, usavam o jongo como um dos únicos momentos permitidos para confraternizações em meio a tanta revolta e sofrimento. Só conseguiam autorização para se divertirem com o ritmo porque os donos das fazendas de café se aproveitavam da cultura africana para se distraírem em dias de santos católicos. Além de ser uma dança para divertir e celebrar, o jongo também é uma atitude religiosa para saudar os pretos-velhos. Uma das entidades mais populares da Umbanda que representam os ancestrais africanos.

Tia Maria do Jongo foi fundamental para a continuidade do Jongo no Brasil, levando para novas gerações. Essa cultura veio da África e se mantém viva até hoje. Ela era uma das criadoras do Jongo da Serrinha, em Madureira. Onde promove ações integradas entre arte, cultura, memória, desenvolvimento social, trabalho e renda. Nasceu jongueira. Sua relação com o Jongo começou no quintal de casa, os pais eram músicos de Minas Gerais que se mudaram pra Zona Norte do Rio.

Foto: Bianca Pimenta

No carnaval do próximo ano, Tia Maria será uma das homenageadas pelo carnavalesco Júnior Pernambucano com o enredo ‘Lugar de mulher é onde ela quiser’, escrito para escola de samba em que ela ajudou fundar. Com objetivo de enaltecer mulheres que fizeram história dentro da Império Serrano, a letra vai mostrar a resistência feminina em meio a um mundo tão machista. Isso é Tia Maria inspirando e reacendendo a importância da luta das mulheres negras pra cultura brasileira. Aos mais velhos e aos mais novos, Tia Maria sempre vai representar muito.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]