SOS Providência e Mc Rayban lançam, neste sábado (27), clipe da música “Bactéria” sobre combate ao Covid-19

Lançamento é neste sábado (27), às 14h, no Facebook do Voz das Comunidades
MC Rayban

No Morro da Providência, que fica na Gamboa zona Central do Rio, o comitê SOS Providência e o Mc Rayban lançam no próximo sábado (27) o clipe da música Bactéria. O clipe é sobre o trabalho de combate ao coronavírus no Morro da Providência e vai ao ar às 14h no Facebook do Voz das Comunidades.

O SOS Providência desenvolveu a iniciativa Morador Monitor, que tem como objetivo fazer a gestão do território e a conscientização sobre a Covid-19. Treze moradores monitores se dividiram em seis áreas do Morro da Providência e região portuária da cidade, cadastrando domicílios e realizando pesquisa sobre necessidades básicas de moradores ou algum auxílio psicológico. Com a falta de testes destinados a moradores da comunidade, foram incluídas perguntas sobre sintomas de contágio pelo coronavírus, para verificar possíveis casos não registrados. Os dados das pesquisas são baseados nas respostas, não tendo como garantir a confirmação de testes e óbitos totais.  

Tendo em vista essa dura realidade da comunidade, o comitê se juntou com o Mc Rayban para lançarem o clipe do hit Bactéria, que vem bombando nas redes sociais desde o começo da pandemia, como uma forma de trazer um momento de descontração, sem deixar de trazer uma conscientização a moradores. Gelson Pereira dos Santos de 38 anos, o Mc Rayban, falou com o Voz sobre o lançamento do videoclipe.

O que me motivou a escrever essa música foi a preocupação e revolta, eu trabalho como camelô na uruguaiana, mas devido a pandemia o Saara foi fechado sem previsão de volta. Preocupação em como conseguir o pão de cada dia sem trabalhar, e revolta com governo que nos manda ficar em casa, mas não nos dá assistência para isso. O nome da musica é bactéria, porque uma vez cantei a capela na rua, e acabei sendo filmado por alguém, a pessoa divulgou com o intuito de me ajudar e a música bombou na internet. Porém muitos que viram a brincadeira me chamaram de ignorante por não saber a diferença entre bactéria e vírus, infelizmente tive pouco estudo, e realmente não sei diferenciar, então devido á isso botei esse nome, para calar todo aquele preconceito.

Mc Rayban

Justiça do Rio nega habeas corpus a morador do Complexo do Lins preso injustamente

Trabalho na pandemia

Morro da Providência. Foto: Melissa Cannabrava / Voz das Comunidades
Morro da Providência. Foto: Melissa Cannabrava / Voz das Comunidades

No mês de maio foram cadastrados 1.656 domicílios atendidos pelo projeto Morador Monitor,  registrando 10 óbitos, 34 casos confirmados e 386 pessoas apresentando sintomas do novo coronavírus. Em junho foram 2.643 cadastradas, dentre elas 600 pessoas apresentaram sintomas, com registros de 86 casos confirmados, 10 óbitos e 34 pessoas recuperadas. Foram mais de 8 mil moradores contemplados pelo projeto, em 81% dos domicílios a renda é até 1 salário mínimo, menos de 50% tiveram acesso ao auxílio emergencial.

O SOS Providência também realizou diversas ações solidárias, destinadas às famílias mais afetadas pela pandemia. Contudo, muitas famílias ainda têm necessidades urgentes de auxílio alimentação e kits de higiene, como álcool em gel e máscara, ou até mesmo precisando de atendimentos psicólogos por conta do isolamento social. A realidade nas favelas ainda é preocupante, são mais de 2 mil moradores infectados e 445 mortes por Covid-19, de acordo com o Painel de Atualização de Coronavírus nas Favelas do Rio de Janeiro, criado pelo Voz das Comunidades.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]