Sound Up Brasil: Spotify apoia futuros podcasters de comunidades

O programa é voltado para pessoas negras e indígenas que tenham boas ideias para um podcast
Kati em xilophotography.com; Instagram @xilophotography
Kati em xilophotography.com; Instagram @xilophotography

Na última terça-feira (30), o Spotify lançou o Sound Up Brasil, iniciativa que visa tornar mais diversa e plural a plataforma, que é uma das mídias que mais cresce no pais. O programa é voltado para pessoas negras e indígenas que tenham boas ideias para um podcast e foi criado para descobrir a próxima geração de podcasters. Para isso, o projeto conta com treinamentos e workshops, além de suporte do Spotify.

Como funciona?
A iniciativa é gratuita e aberta a jovens negros ou indígenas que tenham entre 18 e 30 anos. As inscrições são individuais e vão até o dia 17 de julho e devem ser feitas no site https://soundupbrasil2020.splashthat.com. Os inscritos devem, obrigatoriamente, morar no Brasil. Após o período de inscrições, a curadoria do Spotify irá selecionar 30 finalistas para entrevistas e, depois, irão definir os 20 participantes para o início do Sound Up.

Cabe dizer que todos os 20 participantes que passarem para o programa virtual receberão um gravador, computador, fones de ouvido e acesso à Internet.

Curso sobre cultura das escolas de samba dá bolsas para moradores de comunidades

Segunda fase em duas etapas

A sequência do projeto será dividida em duas fases: Workshop virtual e Imersão presencial.

Workshop vitrual: os 20 participantes aprenderão desde como desenvolver a sua ideia, tipos de narrativa, produção, como realizar entrevistas, edição e todas as da produção, com diversos especialistas da área. Além disso, serão feitas tarefas dinâmicas e lições gravadas. Após o final desta fase, os participantes terão oito semanas para apresentar um projeto final ao Spotify. O Sound Up Vitrual ocorrerá ainda em 2020.

Imersão presencial: 10 participantes estarão nesta fase que irá durar uma semana e ocorrerá no escritório do Spotify, localizado em São Paulo. Durante este período, os participantes terão cursos imersivos, aulas de segunda à sexta-feira, conexão com especialistas e profissionais do setor, mentoria com suporte contínuo do Spotify e a criação de um episódio piloto de podcast. A imersão presencial ocorrerá em 2021.

Após a segunda fase, o Spotify irá selecionar os 5 vencedores desta primeira edição do Sound up Brasil.

Sound Up empolga podcasters

Para a podcaster Gabriela Santos, moradora de Jardim Roberto, favela da Zona Oeste de São Paulo, e apresentadora do Pretas Na Rede, podcast que fala sobre os mais diversos assuntos mas da perspectiva de mulheres pretas, a iniciativa é o resultado de um esforço coletivo das mesmas pessoas que realizaram o evento Spotify for Podcasters Summit, que reuniu podcasters profissionais e entusiastas da mídia para trazer diversidade para o podcast no Brasil. Além de se mostrar otimista com a iniciativa, Santos também lembrou das dificuldades que passou durante o começo do seu podcast:

Eu demorei a acreditar que conseguiria. Hoje, a ‘podosfera’ está mais diversa e pautas necessárias vêm sendo cada vez mais discutidas. Fico muito empolgada em ver este cenário no futuro“, afirmou a podcaster.

Para Alê Garcia, que apresenta o podcast Negro da Semana, que conta a história das maiores personalidades negras da história – como Muhammad Ali, Conceição Evaristo e Elza Soares – a iniciativa é positiva.

Livros de cabeceira: Alê Garcia, do "Negro da Semana" | Afroliterária
Alê Garcia

O podcast é uma mídia fundamental no processo de amplificação de vozes as mais diversas. Infelizmente, sabemos que o acesso à tecnologia e às ferramentas digitais não é uma possibilidade para todos. Iniciativas de empresas privadas têm sido fundamentais no processo de incluir população de baixa renda e culturas diversas na criação de conteúdo digital. Oferecer uma formação sólida em produção de podcast para os públicos negros e indígenas é uma grande ajuda neste processo“, ressalta Alê.

Garcia foi além e ressaltou como a mídia tem crescido na quarentena:

Este momento de quarentena e, consequentemente, de introspecção que estamos vivendo, deu ainda mais atenção ao podcast. Têm novos programas surgindo, mais audiência descobrindo e se fidelizando.

É válido ressaltar que, para fazer parte do programa, você não precisa de nenhuma experiência anterior em podcast, apenas uma ideia e o desejo de usar a ferramenta.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]