Um tempo… – Crônicas de Sérgio – 04

IMG_0711

Sou de um tempo…
De um tempo…
De um tempo onde bala perdida era aquela bala que encontrávamos no bolso da calça, da blusa ou do short, não na cabeça, na perna ou no ventre de uma mãe;
De um tempo onde tínhamos medo que os bandidos subissem o morro, e não os policias;
De um tempo onde o som nas vielas e becos era do samba, rap ou funk, e não o barulho das rajadas de metralhadora;
De um tempo onde não tinha Unidade de Polícia Pacificadora, pois nossas comunidades seguiam em paz;
De um tempo onde quem vendia drogas eram os traficantes e não as autoridades;
De um tempo onde nossas vielas tinham crianças brigando, e não policiais as matando;
Sou de um tempo…
De um tempo…
De um tempo onde que o bandido tinha medo da polícia, e por isso não era sócio dela;
De um tempo onde o governador morava no Palácio das Laranjeiras, e não em Bangu I;
De um tempo onde nossas crianças iam pra escola com sede de saber, e não com medo de morrer;
Sou de um tempo…
De um tempo….
De um tempo onde a inteligência das policias era muito mais do que trocar tiros;
De um tempo onde um trabalhador era gente, e não vítima do estado;
De um tempo onde um enfermo poderia morrer no hospital, e não na fila de espera para uma simples consulta;
Sou de um tempo…
Sou de um tempo onde eu não era estatística de homicídio e nem assalto, onde eu não era ponto de encontro de bala perdida…
Sou de um tempo onde era orgulho mostrar que era funcionário público, e não sinônimo de vergonha e salário atrasado…
Sou de um tempo onde vivíamos sim muitas dificuldades, mas não tantas atrocidades…
Sou de um tempo onde o morro descia para o asfalto para trabalhar, e não o asfalto subia o morro para dar trabalho!

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]