Especialistas se dizem em choque e consideram precoce antecipação de plano de reabertura da prefeitura

A presidente da Sociedade de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro, Tânia Vergara, recebeu com choque a notícia da antecipação da fase três do plano de reabertura. Segundo a

A presidente da Sociedade de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro, Tânia Vergara, recebeu com choque a notícia da antecipação da fase três do plano de reabertura. Segundo a especialista, a comunidade científica esperava avaliar o impacto da fase dois somente no dia 1º de julho, data em que a medida completaria duas semanas, tempo médio de propagação do vírus.
— É imprevisível o que vai acontecer agora. Nesse momento, a gente vai ter que orar. Nossa taxa de contágio, ou seja, a capacidade de um doente infectar outra pessoa está acima de 1. Isso significa que a epidemia está em crescimento. Para considerá-la sob controle, ela precisaria estar abaixo de 1. Além disso, diferente de outros países do mundo que afrouxaram as medidas de isolamento, nós não temos a capacidade de testar rapidamente a população. Os testes que temos não são suficientes — explica.