Justiça determina que Crivella, Witzel e CEDAE instalem pias e ofereçam caminhões pipas a moradores das favelas

O desembargador Wilson do Nascimento Reis, da 26ª Câmara Cível do Rio, determinou alguns minutos atrás, em ação da Defensoria Pública do Rio e do MP estadual, que o estado

O desembargador Wilson do Nascimento Reis, da 26ª Câmara Cível do Rio, determinou alguns minutos atrás, em ação da Defensoria Pública do Rio e do MP estadual, que o estado e o município do Rio, bem como a Cedae, adotou providências para regularização do serviço de água em “áreas não abrangidas pela rede de abastecimento” da companhia. Visa atender prioritariamente às favelas. O desembarque, em sua decisão, cita a necessidade de “caminhões-pipa ou outros meios de transporte; aplicar o acesso à água e conseqüente higiene básica à população afetada e residente nessas localidades e à situação em situação de rua (…)” . Menciona, também, uma “instalação de pontos de água ou torneiras e torneiras comunitárias nas praças e logradouros públicos”. O não cumprimento da determinação prevista no valor de R $ 50 mil por réu.
Também é necessário regularizar o fornecimento de água em todas as áreas do município abastecidas pela Cedae. Nenhum caso de reclamação sobre falta de água feita por consumidor, associação de moradores ou autoridades, caberá a empresa garantir, para toda a área afetada, ou fornecimento de 20 litros por pessoa por meio de caminhões pipa ou colocação de torneiras públicas .