Amigos e familiares realizam “vaquinha” para concretizar sonho de ambulante que faleceu por Covid-19; Saiba como ajudar

Morador do Alemão, Zaquel Nunes da Silva trabalhava para comprar uma casa para a família
Captura de Tela 2021-04-07 às 14.57.57

Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação

Na antiga rotina de Zaquel Nunes da Silva, ambulante de 39 anos que faleceu vítima de coronavírus em 1º de abril, a luta para oferecer um futuro digno para a sua família era um objetivo que o inspirava a enfrentar todas as adversidades da vida diariamente. Seja no calor, no frio, no sol ou na chuva, o morador do Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio, depositava toda a sua energia em busca de condições financeiras que possibilitariam o sonho de comprar uma casa nova para os seus familiares.

Agora, com o seu falecimento, voluntários que atuavam com ele no compromisso social na Igreja Evangélica Assembleia de Deus na Itaóca, no Alemão, e seus familiares realizam uma “vaquinha” em busca da concretização do sonho de Zaquel, que convivia com sua esposa e os seus três filhos, sendo que um deles possui deficiência motora e dependia da força do pai para locomover-se dentro da residência. A meta estabelecida pelo financiamento coletivo é de 100 mil reais e não possui uma data prevista para o fim da campanha.

“A ideia surgiu a partir de uma irmã da igreja. Ela se prontificou em fazer e depois me comunicou. Eu fiquei muito feliz pela iniciativa dela, pois todos sabiam o quanto meu esposo batalhava para nos tirar do morro. O nosso filho é cadeirante e dependia da força do meu marido para ser levado no colo para descer e subir as escadas de nossa casa, que é alugada”, comenta Gilvania Tavais Nunes da Silva, de 36 anos e esposa de Zaquel.

Para contribuir no financiamento coletivo da família de Zaquel, basta acessar o site Vakinha e ajudar com o valor que você desejar.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]