Aumento de casos de gripe leva moradores de favelas do Rio a procurarem unidades de saúde

Há relatos de pessoas da Rocinha, Vidigal e Vila Kennedy com sintomas que vai de dor no corpo até resfriado

Foto: Reprodução / Parceiros do VidigaFoto: Reprodução / Parceiros do Vidiga

Uma virose que teria começado há uma semana tem feito moradores de favela se deslocarem para os postos de saúde em busca de atendimento médico.

Para os moradores da Rocinha, comunidade na Zona Sul do Rio de Janeiro, o último final de semana foi marcado por sintomas de mal-estar e unidades de saúde lotadas na região como consequência. De acordo com as primeiras informações, a população local procurou, em grande demanda, postos de cuidados devido a uma possível gripe, cujos sintomas são parecidos com os Covid-19. Segundo a publicação do Jornal Fala Roça, mídia comunitária da região, a causa teria sido o “vírus Influenza A (H3N2)”.

A página Parceiros do Vidiga, por meio de publicação, também relatou sobre a situação e disse que a busca pelos postos da região cresceu por conta de muitas pessoas se queixando de dor de cabeça, dor no corpo, calafrios, febre, mal-estar e resfriado. A mesma questão foi abordada pelo Voz da Vila Kennedy no Facebook, onde muitos apresentavam os mesmos sintomas.

A reportagem do Voz das Comunidades entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro para checar as informações e obteve a seguinte nota:

“A Secretaria Municipal de Saúde (SMS-Rio) está atenta ao aumento da procura de atendimento nas unidades de saúde por pessoas relatando síndrome gripal. Uma investigação epidemiológica está em curso pela Superintendência de Vigilância em Saúde, que na última semana constatou um aumento de resultados positivos para Influenza A nas amostras coletadas em unidades de saúde sentinelas. Apenas cerca de 3% dos casos testados apresentaram positividade para covid-19.

Tratando-se de Influenza A, as medidas de proteção são semelhantes às de covid-19, dentre elas manter o distanciamento social, uso de máscaras e higiene das mãos com álcool 70% ou, quando possível, água e sabão.

A vacina da gripe está disponível para toda a população nas unidades de Atenção Primária do Município do Rio (Clínicas da Família e Centros Municipais de Saúde) de segunda a sexta-feira das 8h às 17h. Está sendo ofertada para a população em geral a partir de 6 meses de idade, até o fim do estoque.

A cobertura vacinal dos grupos prioritários de idosos, gestantes e puérperas, crianças de 6 meses a 5 anos, trabalhadores da saúde está em 55,7%.”