Marcelo Crivella (Republicanos) e Eduardo Paes (DEM) disputam o segundo turno das Eleições no Rio de Janeiro

Atual prefeito Marcelo Crivella, que teve 21,90% dos votos válidos disputa a cadeira como chefe do executivo da cidade com Eduardo Paes, que foi prefeito de 2009 a 2016, nesse

Marcelo Crivella (Republicanos) e Eduardo Paes (DEM) disputam o segundo turno das Eleições no Rio de Janeiro

Atual prefeito Marcelo Crivella, que teve 21,90% dos votos válidos disputa a cadeira como chefe do executivo da cidade com Eduardo Paes, que foi prefeito de 2009 a 2016, nesse pleito o candidato foi para o segundo turno com 37,01% dos votos.  A votação do Rio de Janeiro ocorrerá dia 29 de novembro e até lá os candidatos podem intensificar a campanha pelas ruas da cidade. 

Eduardo Paes (DEM)

O carioca, formado em Direito iniciou sua carreira na política aos 23 anos, como Subprefeito da Zona Oeste, na primeira gestão do Prefeito César Maia. Já foi eleito Vereador e Deputado Federal pelo Rio de Janeiro. Também foi Secretário de Meio Ambiente na segunda gestão do César Maia, além de Secretário Estadual de Turismo Esporte e Lazer do Governo Sérgio Cabral, deixando o cargo após eleger-se pelo PMDB. Prefeito da cidade do Rio de Janeiro, posto que assumiu por dois mandatos.

O candidato promete recontratar 5 mil profissionais de saúde que foram demitidos, propõe o retorno das aulas somente em 2021, além de prever um plano de segurança em locais turísticos e comerciais.

Marcelo Crivella (Republicanos)

O carioca formado em Engenharia Civil e atual prefeito da cidade, foi senador por 14 anos e em 2017 assumiu a prefeitura do Rio de Janeiro, mas alegou ter encontrado uma cidade endividada impossibilitando o cumprimento de muitas promessas de campanha. 

Uma de suas principais promessas para o próximo mandato é manter a linha amarela sem pedágio, além garantir o uso de armas de fogo pela guarda municipal e rever os contratos do VLT carioca.

Apesar de ambos os candidatos terem uma longa história política na cidade do Rio de Janeiro, também se envolveram nos muitos escândalos recentes. Denunciado por corrupção, Marcelo Crivella teve mais de um processo de impeachment rejeitado pela Câmara de Vereadores. Já Eduardo Paes se tornou réu na Justiça Eleitoral por três crimes: corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral.