Investigação confirma que Letícia Sales foi baleada por PM durante incursão no Complexo do Alemão

Inquérito apontou que disparo que matou a mulher partiu de policial da UPP
Foto: Reprodução / Redes Sociais
Foto: Reprodução / Redes Sociais

A Delegacia de Homicídios confirmou que Letícia Sales, de 50 anos, foi morta por um policial durante a operação no Complexo do do Alemão na última semana no Rio de Janeiro. Investigação concluiu que a um cabo da UPP foi responsável pelo disparo que matou a mulher, enquanto ela saía da comunidade na última quinta-feira (21).

De acordo com o Jornal O Globo, o inquérito concluiu que Letícia foi baleada quando não havia confronto. Ele aponta que um policial teria disparado contra um colega de farda, ao confundi-lo. A bala acabou acertando Letícia. Ela, que não morava no Alemão, foi até a comunidade para visitar as filhas e uma amiga pastora. Ao todo, 18 pessoas em dois dias de operação no Alemão.

Ainda conforme o Globo, o responsável pelo disparo foi o cabo Eduardo Nunes Rodrigues Junior, lotado na UPP Parque Proletariado. Em depoimento à Delegacia de Homicídios, ele relatou que estava na Estrada do Itararé, em frente ao Colégio Tim Lopes, quando viu dois veículos pararem lado a lado em um sinal de trânsito. Um i30 e um Prisma, este último era o carro que Letícia dirigia. O policial também relatou que viu uma pessoa armada colocar o corpo para fora do segundo carro e disparou contra o i30, um dos disparos acertou Letícia. Ela chegou a ser socorrida e levada para Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas já chegou morta à unidade.

A incursão conjunta no Complexo do Alemão teve a participação de agentes do Batalhão de Operações Policiais (Bope) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). A moradora do Alemão Solange Mendes também está entre os 18 mortos durante a ação.

Mãe de três filhas e avó de três netos, Letícia morava na comunidade Beira-Rio, no Recreio dos Bandeirantes.

Ação de Defensoria Pública

 A Defensoria Pública do Rio de Janeiro (DPRJ) vai representar a família de Letícia. Filhos e sobrinho da vítima estiveram presentes na Defensoria na última terça-feira (26) para o primeiro atendimento. Em seguida, foram recebidos pelo defensor público-geral Rodrigo Pacheco, além da subdefensora pública-geral institucional, Paloma Lamego.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]