Moradores fazem ato pacífico pela reabertura imediata da UPA Manguinhos

A unidade atende em média 400 pessoas por dia, mas com o fechamento, nesse período já deixou de realizar 10.800 atendimentos

Moradores fazem ato pacífico pela reabertura imediata da UPA Manguinhos

A comissão em defesa da UPA Manguinhos, composta por moradores, Presidentes das Associações, conselheiros de saúde, ativistas, movimentos e coletivos de Manguinhos, reuniram-se na tarde dessa segunda-feira (01) para se manifestar.

Em frente a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) aconteceu um ato pacífico pela reabertura imediata da UPA, fechada desde 06 de janeiro deste ano. Na ocasião, o Voz das Comunidades esteve presente e conversou com o Secretário Secretário de Saúde Daniel Soranz, que informou o que tinha ocorrido.

A repórter Amanda Botelho entrevistou Diego Vaz, subprefeito da Zona Norte, que no fechamento da unidade informou que o contrato com os médicos havia acabado. No entanto, iam tentar uma nova licitação e obras de manutenção. Porém, até o momento nada foi realizado.

Tanto moradores quanto pacientes, que dependem do atendimento da unidade, permanecem sem utilizar o serviço. Segundo a comissão em defesa da UPA Manguinhos, a unidade atende em média 400 pessoas por dia. Mas com o fechamento, nesse período já deixou de realizar 10.800 (Dez mil e oitocentos) atendimentos.

A importância da UPA em funcionamento

Fabiola Alves, ativista presente no ato
Foto: Vilma Ribeiro/Voz das Comunidades

Para a ativista de favela, Fabiola Alves, o que os moradores de Manguinhos estão vivendo nesse momento é um estado de extremo abandono. “É inadmissível que no meio de uma pandemia um equipamento público de saúde, de extrema importância para população, pois não atende só a favela de Manguinhos, mas também atende toda essa região Jacaré, Mandela, Arara, encontra-se com as postas fechadas. A UPA aberta significa viver ou morrer”, diz Fabiola.

Sérgio Ricardo disse que o equipamento ao longo dos anos foi sucateado.
Foto: Vilma Ribeiro/ Voz das Comunidades

Sérgio Ricardo, nascido e criado no jacarezinho, responsável pela rádio local e usuário da unidade, diz que de uns 3 anos em diante, o espaço foi sucateado. “Fecharam a Upa, com a proposta de reabrir dia 30 e até agora nada. Estamos aqui para reivindicar, essa foi a primeira unidade inaugurada, não pode deixar que permaneça fechada”.

Até o fechamento dessa matéria, a Secretária Municipal de Saúde não respondeu sobre a reabertura da Upa de Manguinhos.

Em atualização…