O Laboratório de Estudos do Borel lançou, no último sábado (16), o CoronaZAP, um canal de comunicação para registro de casos suspeitos ou confirmados de Covid-19 nas favelas da Tijuca. A ação surgiu porque o Painel Rio Covid-19, atualizado pela Prefeitura, não contabiliza nenhum caso confirmado nessas favelas. Entretanto, o bairro é o quarto com mais contaminações no Rio.

“O que mais estimulou a criação foi a falta de informações sobre casos de coronavírus no Borel. A gente vê o número de pessoas morrendo aumentando, temos casos confirmados com teste mas sem a notificação de ser no Borel. O coronaZAP serve para tentar driblar a falta de informações da Prefeitura. As pessoas precisam ver o que realmente está acontecendo. Isso interfere no modo que levam a situação de distanciamento e de aglomeração”, conta o jornalista Igor Soares.

Como funciona o CoronaZAP?

O objetivo do projeto não é prestar atendimento médico, mas identificar possíveis casos de Covid-19, baseados nos sintomas estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e Ministério da Saúde, e reivindicar a realização de testes nas favelas. Então, se algum morador teve ou tem algum sintoma gripal, seja leve (coriza, dor de garganta, perda de gosto ou de cheiro) ou grave (febre, tosse ou falta de ar), deve enviar uma mensagem no WhatsApp para o número (21) 986852496 e fornecer as informações necessárias. As informações vão para um banco de dados sigiloso e depois serão analisadas pela equipe do projeto.

COMPARTILHAR