Coletivo de mulheres cria mercadinho solidário em São Gonçalo para ajudar outras mulheres na pandemia

O Mulheres da Parada atende mais de 70 famílias através de doações de alimentos
IMG-20200602-WA0007

O coletivo Mulheres da Parada, que nasceu em meio à pandemia para ajudar famílias afetadas pela crise do coronavírus, criou um mercadinho a partir do desejo de oferecer alimentos que, geralmente, não são inseridos em uma cesta básica comum. Essa ação faz com que as famílias tenham a oportunidade de escolher os alimentos de acordo com necessidade delas.

O coletivo é composto por 10 mulheres, onde a maioria são moradoras da comunidade Parada São Jorge no Sacramento em São Gonçalo, que se uniram para fazer o bem. Por meio de doações, elas distribuem cestas básicas pelo local. No entanto, perceberam que havia um certo desperdício e desigualdade na distribuição de alimentos. Desta maneira, surgiu a ideia de criar um mercadinho solidário a fim de que os beneficiários participassem da escolha dos itens e assim adquirissem aquilo que realmente precisavam.

Além de itens contidos em uma cesta básica comum, o Coletivo oferece outros alimentos não perecíveis que complementam e são necessários à alimentação, como canjica, pipoca, tapioca, ervilha em grão, feijão mulatinho, aveia, e o que mais for recebidos nas doações. “Nós estipulamos o número de itens a serem levados de acordo com o número de membros da família. Temos 78 famílias cadastradas atendidas por nós. O mercadinho é improvisado. Funciona na garagem da minha casa.” conta Letícia da Hora, integrante do Coletivo.

Somente quem faz parte do cadastro pode usufruir do mercadinho solidário. O beneficiário vai lá, vê o produto necessário e obtém sem pagar nada. Porém, o estabelecimento só funciona em dias de ações ou quando há doações. “As doações que recebemos são 100% feitas por pessoas físicas e agora lançamos a vaquinha on-line. Nossa meta é atender 200 famílias no total e inserir o hortifruti no mercadinho.” completa Letícia, que é Publicitária, porém se encontra desempregada.

Para quem tem interesse em ajudar, a vaquinha on-line está neste link. O objetivo é arrecadar o valor de R$6.000 reais para atender 60 famílias durante um mês. Ou para quem preferir, a colaboração também pode ser feita através dos seguintes dados bancários: 

Banco Bradesco 

Ag 6023

Cc 7614-7

Letícia Santos Freitas

CPF: 117010357-07

Se você pode, colabore! Fortaleça essa corrente de solidariedade.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]