Moradores de diversas favelas do Rio relatam falta d’água desde a última sexta-feira

Favelas da zona norte não tiveram o reabastecimento de água normalizado após manutenção no Guandu
Foto: reprodução da internet
Foto: reprodução da internet

Moradores de diversas favelas do Rio de Janeiro relatam falta d’água desde a última sexta-feira (25). Localidades das favelas do Complexo do Alemão, Complexo da Penha, Engenho da Rainha e Cidade Alta, na zona Norte, não tiveram o abastecimento normalizado.

O reabastecimento de água na cidade não normalizou para toda a população após manutenção da Cedae na Estação de Tratamento de Águas (ETA) Guandu. A manutenção estava prevista para ocorrer das 8h às 20h de quinta-feira (24), e o abastecimento seria normalizado em 72 horas. Mas, o serviço terminou às 4h de sexta-feira (25), o que comprometeu o fornecimento de água.

Nos comentários de uma publicação no Facebook do Voz das Comunidades, moradores relataram sobre a falta d’água em suas respectivas favelas. De acordo com os comentários, há cinco dias famílias estão sem água no Engenho da Rainha. Um morador da comunidade flagrou o desperdício de água próximo a uma bomba da Cedae.

De acordo com a Cedae, o serviço de reparo da elevatória já foi concluído e a unidade está operando normalmente. A companhia informou que as elevatórias de água que atendem o Complexo do Alemão e o Complexo da Penha estão passando por manutenção hoje (29), e devem estar em operação até a manhã desta quarta-feira (30), normalizando o abastecimento.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]