Sobe para 24 o número de mortos na chacina do Complexo da Penha; há também 7 pessoas feridas

Desde às 5h da manhã de hoje (24), agentes do BOPE e PRF realizam incursão repleta de letalidade e relatos de abuso de poder
Urgente Voz

Nesta terça-feira (24), uma chacina policial realizada pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) e Polícia Rodoviária Federal (PRF) na Vila Cruzeiro, Complexo da Penha, ocasiono na segunda maior letalidade em operação de agentes de segurança pública na cidade do Rio de Janeiro, com 24 mortos e sete feridos até o momento.

A ação, que iniciou-se às 5h da manhã, ainda não teve conclusão. Cerca de 32 escolas, juntando Penha e Alemão, tiveram fechar para os estudantes, devido ao clima tenso, mas ofereceram ennsino online, para que não fossem prejudicados. Algumas Unidades de Saúde dessas comunidades só funcionaram de maneira interna.

Em forma de protesto, moradores e mototaxistas realizaram uma manifestação na região conhecida como Matinha, no alto da Penha. Pois, conforme relato local, todas as atividades relacionadas ao comércio, que geram renda, sofreram grandes danos pela intervenção dos agentes. Anonimamente, uma pessoa revelou que os agentes circulavam pela região gritando a seguinte frase: “todo mundo vai morrer”.

Importante ressaltar que a chacina de Jacarezinho, a mais violenta da história dos agentes de segurança pública, completou um ano no dia 06 de maio. Movimentos sociais, familiares inauguraram um memorial em homenagem aos 28 mortos da chacina do Jacarezinho. Porém, foi destruído por policiais uma semana depois.

Atualização segundo a Polícia Civil

A Polícia Civil informou nesta quinta-feira (26) que o número de mortos na chacina na Penha é de 23, ao invés de 26. O Instituto Médico-Legal explicou, de acordo com G1, que três mortos atribuídos à incursão policial vieram, na verdade, de um confronto no Morro do Juramento.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]