Programa Vale Gás NÃO existe; site não tem nenhuma relação com órgãos do governo

Circula pelas redes sociais uma mensagem sobre a criação de um auxílio gás pelo Ministério da Cidadania devido à pandemia de covid-19. O texto diz que famílias de baixa renda

Circula pelas redes sociais uma mensagem sobre a criação de um auxílio gás pelo Ministério da Cidadania devido à pandemia de covid-19. O texto diz que famílias de baixa renda podem consultar se tem direito ao benefício e se cadastrar para receber o auxílio de R$ 70 a R$ 210 mensais para a compra do gás doméstico e oferece um link para o inscrição. É informação é falsa.

A assessoria do Ministério da Cidadania confirmou ao portal de notícia G1 que não houve a criação de nenhum auxílio destinado à compra de gás. O link da mensagem falsa leva à uma página que não tem relação com os sites oficiais do governo. Além disso, depois de pedir dados pessoais o site pede para que se compartilhe a mensagem – a mesma sobre distribuição de auxílio gás – para outras pessoas, reforçando as características de golpe.

Na página, há um questionário que os usuários precisam preencher com dados pessoais. O mesmo servidor desse site tem outros 11 domínios não oficiais, alguns que simulam pertencer a redes varejistas brasileiras e outros de mineração de bitcoins (criptomoedas).

Outras mensagens sobre o auxílio gás circularam pelas redes, com valores diferentes para o benefício e um link que leva para outro site. Neste caso, o site também não é vinculado ao governo federal. Todos os programas sociais do governo estão elencados no site oficial do Ministério da Cidadania.

Há, de fato, um projeto que prevê a criação do benefício. De autoria dos deputados do PT Bohn Gass e Paulo Teixeira, o PL 1922/2020 foi apresentado no mês passado e institui o vale enquanto perdurar o estado de calamidade pública. Porém, ele ainda não foi nem sequer apreciado na Câmara. O valor proposto também é outro: R$ 80.

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]