Ordem de despejo na Aldeia do Maracanã

Nesse sábado (12/01), o Batalhão de Choque do Rio de Janeiro cercou a Aldeia do Maracanã, localizada no antigo Museu do Índio, com o objetivo de garantir o cumprimento da decisão judicial de despejo da comunidade indígena, que há 6 anos ocupam o espaço promovendo oficinas de culinária, canto, dança, contação de histórias, palestras em escolas e universidades aberta a população.

Não conformados pela decisão judicial, que prevê a demolição do prédio para a construção do Complexo do Maracanã que vai receber a Copa 2014, a sociedade civil frequentadora do espaço, estudantes, jornalistas, moradores, militantes e ativistas da causa indígena realizaram um dia de atividades culturais na aldeia protestando contra demolição do prédio e a desapropriação dos indígenas.

A princípio a ideia era realizar uma série de atividades culturais durante a manhã do sábado para mostrar um pouco da história da aldeia, da cultura indígena e da importância da preservação desse espaço histórico na cidade do Rio de Janeiro. O protesto que desde o começo possuía uma narrativa pacífica, esquentou quando o batalhão de choque da Polícia Militar e o Bope chegaram no local querendo expulsar os índios e cumprir a decisão judicial de despejo.

Com mais de 200 pessoas ocupando o local, a retirada da comunidade foi dificultada, já que todos os presentes fecharão a entrada principal criando uma barreia para impedir a entrada do choque, que passou o dia inteiro negociando com os indígenas. No final do dia foi embora mas prometendo voltar com um mandato de despejo.

Segundo Afonso Apurinan, indígena e morador da aldeia desde 2006, o prédio foi doado a 100 anos atrás para a pesquisa de sementes e a preservação da cultura indígena, mas o governo federal acabou tomando de conta. O prédio ficou abandonado 30 anos, até que os índios ocuparam o espaço promovendo atividades culturais. Atualmente a União vendeu o espaço para o governo estadual e agora eles estão sendo ameaçados de despejo para a construção de um shopping que fará parte do Complexo do Maracanã.

“Nós queremos que o governador reconheça que nós somos seres humanos e temos cultura. Há 500 anos os povos indígenas têm sido explorados e temos que ser respeitados culturalmente. Nós estamos aqui não só defendendo a cultura indígena, estamos defendendo a cultura do Brasil”, declarou Apurinan.


Desde que as obras para a Copa 2014 começaram, junto com a organização dos mega eventos que o Brasil irá sediar,uma série de violação de direitos humanos, tem acontecido por todo o Brasil, principalmente na cidade do Rio de Janeiro onde centenas de famílias estão sendo destituídas de seus territórios sem aviso prévio, devido a “remoção branca” nas favelas.

Dessa vez, a desapropriação irá atingir a comunidade indígena, explorada há 500 anos no Brasil. Explorada por um governo que pretende avançar economicamente, a custa da violação de direitos, passando em cima da constituição , nesse caso passando em cima da lei 11. 645, promulgada em 2008, que prevê a preservação do patrimônio imaterial de uma geração e de um povo.


De acordo com a Unesco, a expressão patrimônio imaterial pode ser definida como “as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas – junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados – que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural”.

Em um país, que diz que perante a lei “todos somos iguais”, não pode haver tomada de decisão e sanções como Belo Monte e afins sem antes criar possibilidades e ferramentas de auditoria pública, diálogo com a sociedade civil organizada e com as comunidades afetas.

Comentários Facebook

comentários

*

* Please arrange the below number in decreasing order

Top