Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

PM e Polícia Civil realizam operação policial na Maré com helicóptero e cães farejadores

Mais de 7 mil alunos ficaram sem aula
Helicóptero sobrevoou a região da Vila do Pinheiro com voos rasantes. (Foto Reprodução)
Helicóptero sobrevoou a região da Vila do Pinheiro com voos rasantes. (Foto Reprodução)

A Polícia Militar e o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) participaram de uma operação da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE), da Polícia Civil, no conjunto de favelas da Maré, na Zona Norte da Cidade do Rio. A operação aconteceu nas regiões do Conjunto Esperança até a Baixa do Sapateiro nesta terça-feira (04/07). Os relatos dos moradores começaram a chegar pelas redes sociais por volta das 5h. Um helicóptero sobrevoou a região com voos rasantes e houve relatos qeu os policiais a pé estariam invadindo as casas sem mandado.

“despertador do morador” disse um pessoa que passava por uma rua do Pinheiro. (Vídeo: Reprodução)

Segundo relatos, uma moradora foi baleada no pé e socorrida por vizinhos, questionamos a PM se há unidades de saúde apoiando a ação para prestar socorro mas não fomos respondidos. A Polícia Militar informou não ter localizado a pessoa ferida. A operação ocorreu no horário em que os moradores saíam para trabalhar e os alunos iam para a escola, o que dificultou a rotina dos moradores.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (SME), 7.921 alunos que estudam na Maré ficaram sem aula. Esse número corresponde a 22 unidades escolares apenas da Maré. A SME informa que não tem como avaliar o impacto da operação policial em alunos que estudam fora do bairro, pois os registros são feitos localmente. Além disso, o impacto da operação na educação não considera alunos de escolas privadas.

Alunos estão em reta final do semestre letivo. (Imagem: Captura de tela)

Os comércios locais também fecharam, bem como as unidades de saúde. Cumprindo o protocolo de acesso mais seguro, a Clínica da Família (CF) Adib Jatene, localizada na Vila do Pinheiro, a Augusto Boal, próxima ao morro do Timbau, e o Centro Municipal de Saúde da Vila do João, não estão funcionando. A CF Jeremias Moraes da Silva mantém o atendimento à população, porém sem realizar atividades externas no território, como as visitas domiciliares.

Ainda não há confirmação do fim da operação policial. Os Moradores que se sentirem violados podem entrar em contato com o Ministério Público que realiza um plantão especial para atender a população. O atendimento gratuito é feito no número (21) 993855837 pelo WhatsApp, também no telefone (21) 2215-7003 ou no e-mail [email protected].

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]