Jovens como Renê Silva usam a Internet para compartilhar ideias e transformar o mundo

A garotada de hoje pode não ter muito mais tempo ou interesse para brincadeiras lúdicas, como peão, amarelinha ou pique. Mas, quem disse que isso é um problema? Os jovens estão se divertindo de outra forma e, o melhor: transformando entretenimento em projetos produtivos.

No Rio, essa é uma ideia que já pegou. E que está realmente fazendo diferença. Prova disso é que foi um jovem de 17 anos a principal fonte de informação em tempo real da histórica tomada do Complexo do Alemão pelas forças de segurança do Estado, em novembro do ano passado. Com uma rede de amigos espalhada por toda a região, o estudante do Ensino Médio Renê Silva conseguiu passar, de forma enfática e emocionante, o que estava acontecendo do ponto de vista dos moradores.

Apaixonado por comunicação, Renê já publicava um jornal impresso havia cinco anos na região. Mas foi a Internet que o transformou em figura conhecida mundialmente. Seus perfis no Twitter têm mais de 70 mil seguidores e seu jornal, “A Voz da Comunidade”, ganhou uma versão online.

Com tamanha popularidade, Renê se tornou fonte de inspiração para outros jovens: “É uma grande responsabilidade, mas é muito gratificante perceber a força que a minha iniciativa ganhou”, comenta o jovem, que convidou amigos também adolescentes para trabalhar com ele em sua redação. “Minha geração comprou essa ideia. Somos digitais e conectados, compartilhando muita informação. E isso está contribuindo para mudar o mundo”, conclui.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]