IML registra 18 mortes violentas em Alagoas nas primeiras 48h de 2015

(Crédito: Reprodução)
(Crédito: Reprodução)
(Crédito: Reprodução)
(Crédito: Reprodução)

Da Redação
Voz das Comunidades Alagoas 

A violência no estado de Alagoas não deu trégua nem nas primeiras 48h de 2015. Os Institutos Médico Legal (IML) de Maceió e da cidade de Arapiraca registraram, só nas últimas 48h, a entrada de 18 corpos de pessoas vítimas de mortes violentas. Os corpos deram entrada entre as 7h do último dia 31 de dezembro e as 7h da última sexta-feira (2). Ainda segundo o IML, somente nas primeiras 24h dez corpos deram entrada nas unidades.

Os casos aconteceram na capital e em diversas cidades do interior do Estado. Dentre os homicídios registrados está um que ocorreu no bairro do Benedito Bentes, em Maceió, que acabou vitimando João Victor da Conceição, de 35 anos, onde foi assassinado com golpes de arma branca.

Já de acordo com o Centro Integrado de Operações da Defesa Social (Ciods), as mortes violentas foram registradas nos bairros Gruta de Lourdes e Benedito Bentes, em Maceió, e nos municípios de Marechal Deodoro, Joaquim Gomes, Barra de São Miguel e Flexeiras, Penedo e Santana do Ipanema.

Além dos homicídios, o IML também registrou em Alagoas cinco mortes por acidentes de trânsito, ocorridos nos municípios de Major Isidoro e Porto de Pedras, e nos bairros de Ipioca, Trapiche da Barra e Jatiúca, em Maceió. Ocorreram ainda, durante o período, quatro mortes por afogamento ocorridas no bairro da Levada, em Maceió, e nos municípios da Barra de São Miguel, Matriz de Camaragibe e Branquinha.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]