Um buraco dos infernos no Inferno Verde!

buraco dos infernos

buraco dos infernosMoradores reclamam de buraco com esgoto à céu aberto há quase dois meses no Inferno Verde

Não é de hoje que um buraco enorme no meio da Travessa das Pedreiras vem preocupando os moradores da comunidade da Palmeiras. O local conhecido como Inferno Verde, tem uma passagem bem estreita e com a abertura do asfalto, dificultou o tráfego de motos, bicicletas e até mesmo das pessoas. Um risco notório a qualquer um, inclusive as crianças que brincam por ali.

Um morador, via WhatsApp do Jornal Voz da Comunidade (99535-9185), relatou um pouco sobre o buraco e nos mandou fotos, pedindo para que a equipe de jornalismo do Voz os ajudassem porque a situação está deplorável. Dona de casa, Ana Tereza mora em frente ao buraco e diz que não é nada agradável: – Em dias de chuva, o buraco enche d’água causando uma enorme poça com odor fedorento e com o desnível da rua, a água escorre até o campo da rua abaixo – afirma.

Todavia, é um desrespeito para com a população daquela localidade, porque ninguém merece vivenciar nesse cenário de degradação todos os dias. Eles ainda não acionaram nenhum órgão competente porque não sabem a quem reclamar.

Segundo Tereza, houve um estouro em um ponto de esgoto na mesma rua, com distância máxima de dois metros entre um e outro. Numa tentava de solucionar o problema, um morador não identificado cavou um buraco para amenizar a situação, porém o mal cheiro agravou-se.

A céu aberto um pouco mais de um mês, os moradores e comerciantes reclamam que o cheiro é insuportável e a venda caiu bastante. “Quem tem a sala de frente para a rua, não dá nem para almoçar”, diz Ana, indignada com a falta de preocupação por partes das autoridades em geral. Os pais deixam seus filhos brincarem na rua, mas com uma grande preocupação de algum incidente ocorrer naquele imenso buraco. A população daquela localidade pede a colaboração dos órgãos competentes para que uma providência seja tomada, porque respirar, se alimentar com o mal cheiro a sua volta é inadmissível. Eles se perguntam até quando essa situação desagradável vai permanecer.

Nós entramos em contato com as autoridades competentes por e-mail e a resposta foi a seguinte por telefone às 15:01 do dia 13 de agosto de 2015: “Informamos que há uma demanda excessiva de problemas a serem resolvidos pelo Rio de Janeiro capital e estado, em breve daremos uma posição.” Recebemos logo em seguida um e-mail da CEDAE pedindo o contato do jornal.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]