#VozDasMulheres | Primavera Púrpura: não aceitaremos nenhum direito a menos!

Foto de acervo pessoal

No último sábado (29), aconteceu em diversas cidades do Brasil e do mundo um ato de protesto e repúdio à candidatura do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Milhares de mulheres e apoiadores foram às ruas sob o bordão #ELENÃO. Os atos ocorreram em todas as 27 unidades da federação, com destaque para o maior dos protestos ocorridos na capital paulista, no Largo do Batata, região oeste de São Paulo.

A manifestação, inicialmente organizada via redes sociais, felizmente rompeu com as barreiras virtuais e chegou às ruas, de maneira pacífica, suprapartidária, cedendo voz à diversas causas importantes em que não podemos nos esquecer ao pensar em um futuro melhor.

Ana Luiza Esposito - Foto de acervo pessoal

Ana Luiza Esposito – Foto de acervo pessoal

A partir de um discurso que denomina como “politicamente correto”, o candidato foi ganhando certa visibilidade sob um cenário político extremamente fragilizado após escândalos de corrupção que desacreditam os cidadãos do atual sistema. Porém o “politicamente correto” passa a ser absolutamente inaceitável e sinônimo de retrocesso, a partir da exaltação da ditadura militar no país e tortura de minorias e adversários políticos, apologia ao armamento da população, aumento do uso da força policial e principalmente o ataque à grupos específicos da população.

Em suas abordagens carregadas de ódio e preconceito o presidenciável vem se posicionando de maneira machista, misógina, racista e homofóbica. Abordagem essa que faz jus ao Fascismo, que corresponde a uma ideologia política na qual os protagonistas possuem uma tendência extremista no combate às minorias ultrapassando de maneira agressiva o processo legal e os direitos individuais dos cidadãos.

Ana Luiza Espósito - Foto de acervo pessoal

Ana Luiza Espósito – Foto de acervo pessoal

As declarações ao longo da vida política do candidato em relação às mulheres só o afastam do eleitorado feminino. Discursos que desqualificam, inferiorizam e agridem à mulher são proferidos pelo candidato de ideologia conservadora que busca “manter as estruturas da família tradicional brasileira”. Em pesquisa realizada pelo Datafolha no último dia 02, o percentual de rejeição do candidato pelo eleitorado feminino é o maior entre candidatos da Presidência. 49% das mulheres entrevistadas pelo órgão de pesquisa, relataram não votar no Bolsonaro de jeito nenhum.

“Um belo dia resolvi mudar…”

Para além de todos os fatos inquestionáveis apresentados e sobre tudo o que sabemos e acreditamos, hoje meu discurso vai além do factual e me posicionarei como mulher, feminista e jovem que assim como tantas outras possui planos e sonhos que correm absolutamente em paralelo a vida no país em que habitamos.

Em meio a tantas mulheres vestidas de púrpura, não pude deixar de me emocionar por diversas vezes. Foi um misto de orgulho, sororidade mas também de tristeza por estarmos unidas diante de um motivo tão nocivo à nós. E a cada #elenão que soava em minha mente não pude de deixar de lembrar da minha mãe: solteira, duas filhas e um universo de negativas recebidas apenas por ser mulher. Não me esqueci da minha avó também, mãe de 4 filhos costurando pra fora e cuidando da casa com muitos dos seus sonhos diminuídos por uma sociedade machista que teima em nos colocar como responsável por todas as mazelas do mundo. Para além também não me esqueci das mulheres que foram resistência ao lutar pelo nosso direito de ação política como transformadoras de nossas própria condição social, aquelas que fizeram e fazem parte de movimentos feministas, em que o candidato insiste em atacar direta ou indiretamente.

Me lembrei também de nossas lutas diárias, e do quanto precisamos nos afirmar diante dos desafios em pleno século 21, apenas por sermos mulheres. Chovia. As bandeiras, os partidos, e as lutas eram variadas. Haviam crianças, bebês, idosos e homens. Havia também música, que é também sinônimo de resistência. Havia amor e união, por um mundo melhor, por mais justiça e menos ódio. Ainda chovia e a gente se abraçava, cantando em alto e bom som: “Mulheres, são mulheres, por mulheres, com mulheres”.

Luna Lyra - Foto do acervo pessoal

Luna Lyra – Foto do acervo pessoal

Eu sorri e respirei aliviada, por saber que não estava sozinha, que nunca estivemos sozinhas e enquanto tivermos umas às outras sermos mais fortes. Seguimos sendo um substantivo de luta e resistência. Não permitiremos nenhum direito a menos, que nos desqualifiquem e que criem uma atmosfera de ódio ao nosso redor. Lutamos por tempos de amor, humanidade e democracia. Lutamos hoje não apenas pelo presente mas também pelo futuro daqueles que virão.

 

“Mas eu sei ser trovão
E se eu sei ser trovão
Que nada desfez
Eu vou ser trovão
Que nada des
Faz”
(Iodo – Luedji Luna)

Comentários Facebook

comentários

*

* Please arrange the below number in decreasing order

Top