Comunicadores periféricos podem receber até R$5 mil por iniciativas de comunicação em favelas

Sem Título-1

Organização Social Desabafo Social e o Instituto Galo da Manhã, vão selecionar iniciativas de comunicação em territórios periféricos e apoiar com até R$5 mil, com objetivo de descobrir como as pessoas estão atuando para informar e conscientizar sobre o cenário da pandemia no Brasil.

A informação de qualidade é fundamental no atual contexto, principalmente aquela que é de fácil compreensão por todo mundo. A ONG visa descobrir como as pessoas estão atuando para informar e conscientizar sobre o cenário da pandemia no Brasil. O importante é achar formas criativas de manter todos em casa, em segurança o máximo possível.

Para participar, é necessário se unir a um grupo (sem aglomerações), e propor uma ideia criativa. E é preciso abordar o cenário atual do Brasil: riscos do COVID-19, dicas práticas de prevenção, renda básica, trabalho autônomo, política, direitos humanos etc. e trazendo informações para facilitar o uso tecnológico (aplicativos do governo, sites para procura de trabalho, aplicativos que ajudem no planejamento financeiro).

É também de interesse do Desabafo Social, ver ações que fortaleçam atividades comunitárias, como distribuição de cestas básicas e itens de higiene; produtos e serviços de empreendedores locais; iniciativas de apoio à saúde mental. O impacto que a iniciativa está gerando em seu território periférico e como vem modificando a vida dos moradores, é um critério importante para a escolha. O foco é garantir a pluralidade de ideias, regiões, idades, gênero, raça e categorias.

As inscrições vão até o dia 13 de junho. Os selecionados serão divulgados nas redes sociais do Desabafo Social. Se ainda tiver dúvidas, entre em contato pelo e-mail: [email protected] e siga o @desabafosocial no instagram.

Link da inscrição :  http://desabafosocial.com.br/chamadacomunicadores/

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]