Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Dia da Trancista: Tranças exaltam autoestima e beleza na comunidade

Comemorado no dia 6 de junho, data celebra profissionais trancistas que criam moda e beleza
Foto: Igor Albuquerque / Voz das Comunidades

Este é o mês das tradicionais festas juninas. Durante essas festividades, é comum ver tranças artificiais coladas em chapéus de palha e outras feitas a partir do próprio cabelo da pessoa. Porém, na favela, as tranças fazem parte da estética da população negra. É meio de preservação da identidade, mas também garantia de renda para muitas famílias.

É o caso de Juliana Nascimento, 46 anos, moradora do Vidigal. Há três anos, decidiu se profissionalizar na arte das tranças. Nagôs, box braids, gypsy fizeram sua cabeça. Atualmente, atende clientes de várias idades, moradores, visitantes do morro e não pensa em largar a profissão. “Atendemos todo mundo, mas nosso foco é mulher negra. Se a mulher caucasiana quer trançar é porque se sente bonita. Não vejo como apropriação”, comentou a empreendedora.

 Juliana trança o cabelo de Dona Aracy

Sendo a população majoritariamente negra e essas empreendedoras moradoras de favela, o trabalho delas vai além de embelezar. É promover a estética afro-brasileira. Apesar da  prática ancestral, somente em 2009 o Ministério do Trabalho reconheceu a profissão de cabeleireiro étnico e trancista.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]