Entre lutas sociais e ensino, pré-vestibular “Só Cria” conquista novo espaço na Rocinha

Inaugurado dia 17 de abril, o Espaço recebe o nome de uma educadora, Elizia Pirozi, que lutou pela alfabetização de crianças e adultos na favela
WhatsApp Image 2021-04-29 at 13.31.11

Foto: Só Cria/Divulgação

Quando o assunto é aprendizado, um ambiente que ofereça uma estrutura de qualidade para o ensino dos alunos faz diferença. Em busca de disponibilizar esse diferencial na rotina dos moradores e estudantes da Rocinha, o pré-vestibular popular Só Cria agora conta com um local próprio para as aulas: o Espaço Comunal Elizia Pirozi, que foi inaugurado dia 17 de abril.

Com três anos de existência, o projeto realizado na favela da Zona Sul do Rio de Janeiro contou com a parceria das Brigadas Populares para concretizar o objetivo de possuir uma sede física. Em homenagem à luta pela educação na Rocinha, o espaço recebeu o nome de uma educadora que lutou por ensino de qualidade, desenvolvendo trabalhos de alfabetização de crianças e adultos na favela: Francisca Elizia de Medeiros Pirozi, falecida em 2017 aos seus 77 anos.

Recentemente inaugurado, o Espaço Comunal Elizia Pirozi representa a luta popular do coletivo Só Cria em parceria com as Brigadas Populares.
Foto: Só Cria/Divulgação.

A inauguração aconteceu na Casa da Paz, onde fica o lugar, e contou com a presença dos artistas como Pedro Paiva, que é cria da Rocinha, e Marcela Cantuária, colaboradora do projeto para o desenvolvimento da pintura de um mural. Além disso, contou com o apoio do Instituto InclusArtiz, que contribuiu com a ideia de educação popular na Rocinha comprando kits de estudos que foram distribuídos entre os estudantes.

Com três anos de existência, o pré-vestibular Só Cria conquista seu espaço físico para aulas e atividades sociais.
Foto: Só Cria/Divulgação.

“Lá em 2019, no ano da fundação do Só Cria, tínhamos como desejo que esse projeto fosse um movimento de organização popular, de transformação da sociedade, de possibilidades de novos futuros e horizontes para nós que somos favelados e, consequentemente, mais afetados pelo descaso do Estado. Ver essa inauguração acontecendo, é reflexo desse desejo de mudança que não vem de agora, e só foi possível graças a aqueles que abriram caminhos antes de nós e que se somaram na luta por uma educação popular. Como cria da Rocinha e primeiro a entrar em uma universidade pública na minha família, não poderia fazer diferente. Organizar um espaço de construção coletiva e afetiva no lugar onde eu nasci e cresci fez eu me reconhecer enquanto sujeito da minha própria história,” explica Caio Oliveira, um dos fundadores do pré-vestibular Só Cria.

Além destes destaques, o evento realizou uma atividade com o tema pensado pelos estudantes do projeto sobre a luta por água e saneamento básico na Rocinha.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]