Bailando por um futuro melhor

Foto: (Renato Moura/Voz das comunidades)
Foto: (Renato Moura/Voz das comunidades)

O projeto Vidançar já têm uma grande fila de espera, devido ao sucesso

A Proposta do Projeto VIDANÇAR é proporcionar a crianças e jovens da comunidade do Complexo do Alemão, que se encontram à margem da sociedade, um novo amanhã. Convivendo com as crianças, notamos a necessidade de expandir atividades educavas e culturais através da dança, que tem o poder de trabalhar a auto-estima, funciona como um elemento de inclusão social e resgate da cidadania, afastando essas crianças de caminhos auto-destrutivos como as drogas, a ociosidade e a violência.

O projeto teve início em 2009, após campanhas solidárias de Natal e Dia das Crianças feitas por amigos, onde as crianças amparadas se reuniam e, por iniciava própria, realizavam uma apresentação de dança, com coreografia e música improvisadas para fugirem da situação de risco a qual se encontravam.

Foto: (Renato Moura/Voz das comunidades)
Foto: (Renato Moura/Voz das comunidades)

– Trabalhamos a participação de pais ou responsáveis no auxílio à educação e atenção ao desenvolvimento educacional escolar, exigindo de cada participante do projeto que estiver matriculado, assiduidade e rendimento escolar, e de cada responsável a presença em reuniões e encontros pautados no desenvolvimento das crianças, reforçando a ideia de que a criança necessita ser tratada como criança e ter a possibilidade de brincar, aprender e vivenciar a infância – conta Ellen Serra, a idealizadora do projeto.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]