Delegado disse que polícia já tem conhecimento de mensagens trocadas entre Samya e Victor

(Crédito: Assessoria/PC-AL)
(Crédito: Assessoria/PC-AL)
(Crédito: Assessoria/PC-AL)
(Crédito: Assessoria/PC-AL)

Daniel Paulino
Voz das Comunidades Alagoas 

O delegado titular da delegacia da Cidade de Paripueira, localizada no litoral Norte do estado, que investiga o suposto sequestro da enfermeira Samya Morais, Ataíde Rangel, afirmou em entrevista ao Portal Voz das Comunidades Alagoas que o professor de artes maciais Victor Soares, de 34 anos, acusado de manter Samya Morais em cárcere privado e de ter estuprado a vítima deve permanecer preso até a conclusão do inquérito que deve dura cerca de dez a dose dias.

O delegado afirmou que o acusado foi autuado em flagrante, pois não havia provas suficientes para provar a inocência de Victor. Ainda segundo Ataíde Rangel, os procedimentos devidos foram tomados e que o acusado deve aguardar preso a conclusão do inquérito. Sobre as mensagens de texto trocadas entre Samya e Victor, o delegado disse que já é de conhecimento da policia e que devem ser anexadas ao inquérito como outras provas e preferiu não entrar detalhes sobre as mensagens de texto. ”Vamos aguardar mais um pouco para que possamos analisar todas as provas antes de qualquer posicionamento.”

Já segundo o advogado de defesa, João Neto, o delegado foi precipitado pois Victor possui residência fixa e não possui de forma nenhuma antecedentes criminais. ”Iremos entrar com um pedido de revogação da prisão e iremos provar a inocência do meu cliente que é uma vitima nessa historia”, firmou o advogado.

O advogado informou ainda que existe um forte indício da família de Victor entrar com um processo contra Samya. ”Podemos sim entrar com um processo contra a enfermeira de calúnia e difamação e também contra sua família que teve uma parcela de contribuição no constrangimento que meu cliente está passando”, finalizou.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]