Te convido a refletir – Amor

loraine

A morte é mãe do medo e o medo é pai de Deus… Esta é a árvore genealógica da mente humana… A paixão é mãe da decepção e a decepção é mãe da traição… Esta é a árvore genealógica do inevitável relacionamento humano. O sonho é pai da ilusão e a ilusão é mãe da frustração… Esta é a árvore genealógica da auto exaltação. A coragem é mãe da ousadia e a ousadia é mãe do arrependimento… Esta é a árvore genealógica da auto confiança. O conhecimento é primo da sabedoria, que por sua vez é prima da esperteza… O primeiro é filho do estudo, a segunda é filha da vivência, e a terceira é filha da sobrevivência. O mais novo membro na família do idealismo humano é o amor… Porém, este ainda não nasceu, é um feto em plena gestação, não se sabe em que mês está, nem se nascerá neste século, mas é certo que um dia ele virá… Sua mãe é a caridade, o único problema… É que seu pai é o caos.

O amor muitas vezes é confundido a uma ilusão que nos prende não ao outro, mas a nós mesmos. Amar é muito mais simples que viver com outra pessoa, é algo que não dói, que não poda quem está ao seu lado, é algo que não clama por alguém ao seu lado, mas que deseja o bem igualmente a todos ao seu redor, sem priorizar ninguém. O amor ilusório, esse amor que a maioria de nós sente, é apenas orgulho, nosso reflexo no próximo, e então quando o próximo já não está mais tão perto de nós, vem o desapontamento, o desejo de fazê-lo crer que ele está na pior, que te desperdiçou, como se você fosse um troféu que deveria ser polido todos os dias por quem te conquistou. Este tipo de amor é um orgulho disfarçado de amor. O verdadeiro amor é mais difícil de sentir, não vem da paixão, vem da caridade, e não demanda atenção, não deriva da carência, e sim da sabedoria. Por isso aqueles que aprendem a senti-lo não se casam apenas com seu amores, mas entram para a história…

Por fim, o que é o amor então? Aponte-me algo grande na natureza que não seja formado por pequenas coisas e eu lhe apontarei algo que Deus não fez… As montanhas, os desertos, as nuvens, os seres vivos, os planetas, as estrelas, e o amor, todos constituídos por minerais, gotículas, grãos, células, átomos, e o amor, bem… Se o amor fosse um sentimento, o mundo seria tão mais pacífico, por que os sentimentos nascem conosco, basta serem despertados, e sem o menor esforço eles se externam para responderem aos estímulos à nossa volta, provocações, seduções, boas ações, obrigações e por ai vai, mas, o amor não é tão inconsciente assim como um sentimento. O amor é um estado de espírito, periódicas ações de generosidade, uma sabedoria, ou seja, bem mais do que alguma coisa que possa ser definida por alguma teoria, o amor, este gigante gerado e mimado por Deus, qual montanha sobre os ombros de pequeninas ações que só o fazem crescer, não é, portanto, apenas um sentimento, pois senti-lo não configura fazê-lo existir, senão praticando-o… O amor é uma ação.

AUTOR:

Joao_novaimagem-colunista-2

Esta coluna é de responsabilidade de seus atores e nenhuma opinião se refere à deste jornal.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]